sns-container
SNS-Print
paliativos_sns

Apresentação pública do modelo de prestação decorre dia 17.

O Hospital Dr. Francisco Zagalo – Ovar promove, no dia 17 de junho de 2019, uma sessão de apresentação pública da sua Unidade de Hospitalização Domiciliária.

A cerimónia, a decorrer entre as 11 e as 13 horas, na Escola de Artes e Ofícios, em Ovar, conta com a participação da Secretária de Estado da Saúde, Raquel Duarte.

A sessão de encerramento vai estar a cargo de Delfim Rodrigues, Coordenador do Programa Nacional de Implementação das Unidades de Hospitalização Domiciliária nos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Temas:

  • Hospitalização domiciliária
    • O futuro dos cuidados de saúde
      • Unidade de Hospitalização Domiciliária do Centro
      • Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho, EPE
      • Unidade de Hospitalização Domiciliária do Centro
      • Hospitalar entre Douro e Vouga, EPE
    • Hospital Dr. Francisco Zagalo – Ovar
    • Enquadramento da Unidade de Hospitalização Domiciliária no Hospital Dr. Francisco Zagalo – Ovar
    • Critérios de admissão na Unidade de Hospitalização Domiciliária
    • «A arte de cuidar no domicílio»

 

O Hospital Garcia de Orta foi o primeiro em Portugal a ter uma unidade de hospitalização domiciliária. Um modelo usado em vários países e que traz vantagens, como evitar infeções hospitalares multirresistentes ou reduzir os custos de internamento.

Alternativa ao internamento convencional

No dia 3 de outubro de 2018, 25 hospitais do SNS assinaram um compromisso para iniciarem a hospitalização domiciliária, até ao final do primeiro semestre de 2019. Este compromisso implicou uma resposta na fase inicial, de 215 camas em casa dos doentes, contratualizadas nas cinco administrações regionais de saúde, o que possibilita tratar cerca de 7.290 utentes.

A hospitalização domiciliária, enquanto modelo de prestação de cuidados em casa, afigura-se como uma alternativa ao internamento convencional, proporcionando assistência contínua e coordenada aos cidadãos que, requerendo admissão hospitalar para internamento, cumpram um conjunto de critérios clínicos, sociais e geográficos que permitem a sua hospitalização no domicílio, sob a responsabilidade dos profissionais de saúde que constituam uma Unidade de Hospitalização Domiciliária, com a concordância do cidadão e da família.

Genericamente, a hospitalização domiciliária servirá como uma alternativa ao internamento convencional, mas com assistência contínua, que permite reduzir complicações e infeções hospitalares, além de permitir gerir melhor as camas disponíveis para o tratamento de doentes agudos no Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Para saber mais, consulte:

 

Voltar

Últimas Notícias

IPO Lisboa precisa de mais dadores de sangue.
12/06/2019
Ministra marca presença na sessão de abertura, dia 18 de junho.
17/06/2019
Dados divulgados apontam para «evidente recuperação».
17/06/2019