sns-container
SNS-Print

Há 29 casos confirmados, 24 dos quais em adultos. 

A Direção-Geral da Saúde (DGS) divulga que, até às 18 horas de dia 10 de dezembro, e desde o dia 8 de novembro, foram confirmados laboratorialmente 29 casos de sarampo, pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, na região de Lisboa e Vale do Tejo.

De acordo com o comunido emitido esta terça-feira, dia 11 de dezembro, entre os casos confirmados, 24 são adultos e cinco são crianças.

A DGS lembra a existência de dois surtos distintos: em Cascais (21 casos confirmados), com origem num caso importado da Ucrânia, e em Oeiras (cinco casos confirmados), com origem em um caso importado da República Checa.

No mesmo período de tempo foram ainda confirmados três casos isolados, sem ligação epidemiológica conhecida aos referidos surtos e que estão a ser investigados, afirma a DGS, acrescentando que dos casos investigados 33 tiveram resultado negativo.

Vacinação continua a ser a melhor forma de prevenção

O vírus do sarampo é transmitido por contacto direto com as gotículas infeciosas ou por propagação no ar quando a pessoa infetada tosse ou espirra. Os doentes são considerados contagiosos desde quatro dias antes até quatro dias depois do aparecimento da erupção cutânea.

Os sintomas aparecem geralmente entre 10 a 12 dias depois de a pessoa ser infetada e começam habitualmente com febre, erupção cutânea (progride da cabeça para o tronco e para as extremidades inferiores), tosse, conjuntivite e corrimento nasal.

A vacinação continua a ser a melhor forma de evitar o sarampo. Assim, a Direção-Geral da Saúde recomenda:

  • Verifique o seu boletim de vacinas;
    • Se necessário, vacine-se e vacine os seus;
  • Se esteve em contacto com um caso suspeito de sarampo e tem dúvidas, ligue para o SNS 24 – 808 24 24 24;
  • Se tem sintomas sugestivos de sarampo, não se desloque e evite o contacto com outras pessoas. Ligue para o SNS 24 – 808 24 24 24.

 

O sarampo é uma das doenças infeciosas mais contagiosas, podendo provocar doença grave, principalmente em pessoas não vacinadas. Em pessoas vacinadas, a doença pode, eventualmente, surgir com um quadro clínico mais ligeiro e menos contagioso. As pessoas que já tiveram sarampo estão imunizadas e não voltarão a ter a doença.

Para saber mais, consulte:

Voltar

Últimas Notícias

Hospital de Santarém e ACES Lezíria assinaram protocolo, dia 24 de junho.
24/06/2019
DGS recebe pareceres antes de limitar publicidade a alimentos. 
24/06/2019
Contratados mais seis médicos obstetras para a região Norte.
24/06/2019