Nova unidade de tratamento com base na física de partículas.

O Governo aprova hoje, dia 15 de fevereiro, as linhas orientadoras para ter, em 2022, uma unidade de saúde capaz de tratar anualmente 700 doentes com cancro recorrendo à física de partículas de alta energia.

O tema consta na ordem de trabalhos da reunião do Conselho de Ministros, dedicada ao conhecimento e à inovação, segundo o Ministério da Ciência, Tecnologia e do Ensino Superior.

O anúncio da criação de uma unidade de tratamento do cancro baseada na física nuclear foi feito em setembro, pelo Ministro da Ciência, Tecnologia e do Ensino Superior, Manuel Heitor, depois de ter participado, em Viena, Áustria, na abertura da 61.ª Conferência Geral da Agência Internacional de Energia Nuclear.

O projeto, para o qual foi criado um grupo de trabalho, formado por representantes do ministério, do Instituto Superior Técnico e do Instituto Português de Oncologia de Lisboa, implica um investimento de 100 milhões de euros, que Manuel Heitor pensa poder ser suportado por fundos comunitários e por fundos reembolsáveis do Banco Europeu de Investimento.

Portugal espera congregar para este projeto, além da AIEA, o apoio do CERN – Organização Europeia para a Investigação Nuclear, que tem participação portuguesa, e da universidade norte-americana do Texas, com a qual reforçou a cooperação científica e tecnológica para as terapias oncológicas, uma vez que a cidade texana de Houston dispõe de uma unidade de tratamento de cancro com tecnologia nuclear de protões de alta energia.

De acordo com o Ministro, esta tecnologia, que se baseia em feixes de protões de «alta intensidade», é eficaz e tem menos efeitos secundários do que a quimioterapia e radioterapia, sendo igualmente utilizada com aplicações na oncologia na Alemanha, no Reino Unido e na Suíça.

A nova unidade de tratamento de doentes com cancro, do Serviço Nacional de Saúde, que o Ministro espera poder estar instalada em 2022, poderá vir a funcionar no campus tecnológico e nuclear do Instituto Superior Técnico, em Bobadela, Loures, aproveitando a «maior concentração de técnicos em ciências e tecnologias nucleares».

No fundo, é «reorientar muita dessa capacidade para as terapias oncológicas», salientou, lembrando que a «possibilidade de formar mais técnicos» surgiu este ano letivo com a abertura de mais vagas no ensino superior em física, a pensar na aplicação médica.

Fonte: LUSA

Voltar

Últimas Notícias

Encontro com comunicação social, 19 de junho, 10 horas.
18/06/2018
ARS Centro e Segurança Social renovam 38 acordos.
18/06/2018
Mais acesso, atividade assistencial e recursos no SNS.
18/06/2018