sns-container
SNS-Print

Melhoria de serviços e racionalização circuitos em prol dos utentes.

O Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca (HFF) divulga que, por iniciativa do Programa de Prevenção e Controlo de Infeção e Resistência aos Antimicrobianos (PPCIRA), em colaboração com a Microbiologia, iniciou um projeto em que todos os doentes internados são submetidos a uma avaliação de risco, pelo preenchimento de um inquérito epidemiológico, no momento da admissão, permitindo o rastreio precoce de portadores de microrganismos-problemas de forma a diminuir a transmissão cruzada de infeções entre utentes.

Esta medida insere-se no plano de Clinical Digital Transformation (transformação clínica digital) que o Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca está a desenvolver e que vai permitir, entre outros benefícios, «reduzir significativamente as infeções hospitalares», refere o hospital.

Os potenciais doentes colonizados ou infetados são identificados em menos de 4 horas a partir dos resultados da microbiologia. Em caso de risco, o utilizador é informado sobre as atitudes e precauções a tomar através de um aviso e de um quadro informativo existente no fim do registo.

O procedimento eletrónico permite identificar eficazmente casos de colonização ou infeção e consequentemente reduzir as contaminações hospitalares, que são uma constante preocupação no Serviço Nacional de Saúde.

O sistema Point of Care, usado nas consultas de hipocoagulação, que, segundo o hospital, permite um rápido ajuste da terapêutica anticoagulante oral, é outra medida implementada no Serviço de Patologia Clínica. «Através de uma simples colheita no dedo, ao invés da tradicional colheita no braço, recolhe-se a quantidade de sangue suficiente para um correto diagnóstico». Integrado no sistema informático Athis, este procedimento permite uma redução do tempo de espera para os cerca de 80 utentes que se deslocam diariamente ao HFF para consultas de hipocoagulação.

Importante é também a poupança de custos e a racionalização de circuitos justificada pela utilização das tecnologias de informação no contexto da patologia clínica, revela o HFF.

Através do sistema integrado de gestão clínica do hospital Soarian, na área da microbiologia, os médicos podem visualizar resultados negativos para hemoculturas, às 24, 48 e 72 horas. «Antes da intervenção da gestão das tecnologias e da informação do HFF, aqueles resultados eram somente apresentados quando definitivos, sendo que os médicos apenas podiam consultá-los no processo clínico, no estado final. A alternativa possível era sempre o telefonema para o Serviço de Patologia Clínica – facto que obrigava à permanência ininterrupta de alguém para dar essa informação».

A transformação/reforma que está a ser operada no HFF serve assim para melhorar o serviço aos utentes e simplificar o dia-a-dia dos profissionais, conclui o Hospital.

Consulte:

Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca > HFF com Novas Tecnologias ao Serviço do Doente

Voltar

Últimas Notícias

INEM participa no exercício de cibersegurança CIBERPERSEU.
15/11/2018
Especialistas reforçam equipa do Centro de Saúde de Portimão.
15/11/2018
Satisfação dos doentes do IPO Lisboa continua muito elevada.
14/11/2018