Dieta rica em pescado e laticínios satisfaz as necessidades diárias.

Uma dieta rica em pescado e laticínios é suficiente para satisfazer as necessidades diárias de selénio e iodo para uma população saudável. Esta é a principal conclusão de um estudo desenvolvido pelo Departamento de Alimentação e Nutrição do Instituto Ricardo Jorge que analisou 1764 amostras representativas da dieta portuguesa.

Este trabalho teve como objetivo determinar o teor de selénio em alimentos consumidos pelos portugueses e calcular a sua contribuição para a Dose Diária Recomendada (DDR) destes dois micronutrientes. O estudo visou também escrutinar alimentos segundo o perfil combinado de iodo e selénio.

De acordo com os autores deste artigo, “o pescado é o grupo mais rico em selénio e iodo, seguido pelos laticínios e pelos ovos”. “Deste modo, uma refeição de 160 g (atendendo ao consumo por dia per capita português) de peixe constitui um bom contributo para se atingir a DDR para cada um destes micronutrientes”, referem.

“Se associarmos a este contributo três porções diárias (aproximadamente 300 g) de laticínios (leite, iogurte ou queijo) e um ovo poderemos verificar que uma alimentação saudável é suficiente para preencher os requisitos recomendados em selénio e iodo, para adultos saudáveis”, concluem os investigadores do Instituto Ricardo Jorge.

O selénio e o iodo são micronutrientes envolvidos na biossíntese das hormonas da tiroide e no seu funcionamento. Existe evidência que o baixo teor de selénio e de iodo aumenta também o risco de doenças autoimunes da tiroide. Os níveis plasmáticos destes oligoelementos estão correlacionados com os seus aportes diários, dado a alimentação ser a fonte essencial de iodo e de selénio.

Nesta década, Portugal acompanhou os esforços a nível europeu que permitiram melhorar o aporte diário de selénio e iodo. Porém,  estudos recentes mostraram existir ainda alguma carência na maioria da população da União Europeia.

Estes dados são apresentados no artigo ” Identificação de alimentos ricos em selénio e iodo consumidos pela população portuguesa “, realizado por Marta Ventura, Sandra Gueifão, Inês Coelho, Inês Delgado, Andreia Rego e Isabel Castanheira, publicado na última edição do Boletim Epidemiológico Observações.

Para saber mais, consulte:

Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge > Artigo

Voltar

Últimas Notícias

Laboratório nacional da OMS para os vírus da poliomielite.
24/11/2017
Assinatura de protocolo viabiliza suspensão da greve dos TSDT.
24/11/2017
Aprovado investimento de 5,6 M€ para o serviço de neurologia.
24/11/2017