sns-container
SNS-Print

HESE assinala o dia nacional do doente com AVC com a realização de um rastreio, dia 31 de março.

O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é uma emergência médica pelo risco de vida e pela incapacidade que pode deixar. Tendo em conta a importância da prevenção desta doença, os profissionais da Unidade de AVC do Hospital do Espírito Santo de Évora, EPE (HESE), com o apoio da Câmara Municipal de Évora, realizaram um rastreio para toda a população e esclareceram dúvidas sobre esta doença.

O ACV é uma doença que se caracteriza pela redução da irrigação sanguínea nas células cerebrais, causando danos irreversíveis na região cerebral afetada, podendo manifestar-se por diferentes sintomas.

Entre os sintomas mais frequentes encontram-se a presença de:

  • alterações da fala/comunicação;
  • boca ao lado;
  • sensação de “encortiçamento”,
  • formigueiro ou perda de força de um braço/perna isolada ou em simultâneo;
  • alterações da visão como cegueira de um olho ou visão dupla;
  • alterações da marcha, como o desequilíbrio ou descoordenação;
  • alterações da memória, da leitura e escrita, do planeamento de tarefas, atenção e concentração.

Múltiplos fatores de risco são associados à possibilidade de ter um AVC, como a idade, o sexo masculino, história prévia de AVC ou de AIT (Acidente Isquémico Transitório Cerebral), e os hábitos tabágicos, o consumo excessivo de bebidas alcoólicas, a obesidade, o sedentarismo, a hipertensão arterial, assim como a hipercolesterolemia e a diabetes.

Quanto maior for o número de fatores de risco identificados no utente, maior será a probabilidade deste vir a ter um AVC. Para Luísa Rebocho, responsável pela unidade de AVC do HESE, “as recomendações habituais passam pela redução do consumo do sal, fazer algum exercício físico, controlar a tensão arterial e a diabetes, entre outros, em suma é ter hábitos de vida saudáveis”.

O HESE possui os quatro níveis de resposta a esta patologia: Via Verde no serviço de urgência, para administração de terapêutica específica de fase aguda (trombólise), sempre que possível; unidade de AVC para monitorização e estudo etiológico dos doentes com AVC, serviço de medicina física e de reabilitação que assegura a reabilitação de todos os doentes com AVC e, por último, a unidade de convalescença, integrada na rede de cuidados continuados, para reabilitação dos doentes com AVC, que necessitem.

Para saber mais, consulte:

HESE –http://www.hevora.min-saude.pt/

 

Voltar

Últimas Notícias

Secretário de Estado da Saúde defende projetos de carreira no SNS
06/12/2019
Primeiro em Portugal a utilizar técnica com recurso a laser.
04/12/2019
SES: Morre-se menos em Portugal do que na Europa por causas evitáveis e tratáveis.
05/12/2019