O piquenique é um tipo de atividade lúdica que evoca a partilha, o convívio e o contacto com a Natureza. No entanto, como em todas as atividades humanas, existem riscos envolvidos; e a melhor forma de os prevenir é conhecê-los.

O tempo quente fornece as melhores condições para o crescimento de bactérias, que podem causar toxinfecções alimentares, pelo que é necessário cuidado na preparação e no transporte dos alimentos. Os alimentos frios devem ser mantidos numa mala térmica, a qual deve estar fechada, sempre que não for necessário aceder ao seu conteúdo. Os produtos congelados podem ser colocados sem descongelar, para permanecerem frios durante mais tempo. Os alimentos frescos devem ser bem lavados, antes de serem colocados na mala térmica. Se possível, as bebidas e os alimentos devem ser guardados em malas diferentes, de modo que os alimentos não sejam expostos ao calor exterior, de cada vez que se retirar uma bebida. Os produtos crus devem ser bem embrulhados e separados dos já cozinhados, de forma a impedir a ocorrência de contaminação cruzada entre os diversos tipos de alimentos.

A limpeza das mãos e das superfícies utilizadas para o piquenique também é importante. O ideal é realizar o piquenique num parque de merendas apropriado para o efeito, com boas condições sanitárias, nomeadamente contentores para o lixo e uma fonte de água corrente, que possa ser usada para lavar as mãos. Os piqueniques em locais sem estes equipamentos requerem um recipiente com água, para lavar as mãos nos preparativos, e alguns toalhetes de papel, ou toalhetes descartáveis próprios para a lavagem das mãos. Todos os pratos e utensílios devem ser mantidos limpos e deve evitar-se reutilizar pratos e utensílios que tenham contido carne ou peixe crus, sem os lavar com água quente e sabão, pois os sucos libertados por aqueles podem contaminar com bactérias os alimentos já cozinhados. Este cuidado é particularmente importante quando o piquenique envolve um churrasco.

Outros cuidados a ter na preparação do churrasco são semelhantes aos que se devem ter na cozinha, em geral. Por exemplo, deve-se sempre deixar marinar no frigorífico e não no balcão da cozinha ou ao ar livre; e deve-se separar previamente uma parte da marinada, se pretender utilizá-la como molho, nunca reutilizando a que já esteve em contacto com a carne ou com o peixe. Se cozinhar previamente os alimentos, para reduzir o tempo que passam no grelhador, o intervalo entre os dois atos de cozedura deve ser tão curto quanto possível.

A temperatura também é importante: os alimentos não devem passar mais de duas horas expostos a temperaturas entre 4 °C e 60 °C, pois este é o intervalo térmico no qual as bactérias são mais rápidas a propagar-se, levando a intoxicações alimentares. Assim, existem alguns procedimentos simples que permitem conservar os alimentos à temperatura ideal. Os alimentos frios perecíveis devem ser mantidos na mala térmica até ao momento de serem consumidos e, depois de servidos, não devem permanecer ao ar livre durante mais de duas horas (se tal acontecer, devem ser rejeitados). Alguns alimentos, tais como saladas e sobremesas, podem ser colocados em recipientes rasos envoltos em gelo, o qual deve ser substituído periodicamente, à medida que vai derretendo. Os alimentos quentes devem ser mantidos num recipiente próprio até ao momento de serem consumidos e, tal como com os alimentos frios, deve evitar-se que permaneçam mais do que duas horas expostos ao ar livre.

No final do piquenique, é também importante não esquecer de deixar o espaço limpo.

Voltar

Últimas Notícias

O Programa do XXI Governo Constitucional estabelece como prioridade promover a saúde através de uma nova ambição para a Saúde...
09/10/2017
A MySNS Carteira – A Carteira eletrónica da Saúde já ultrapassou os 20.000 downloads. Centrada nos interesses do utente do...
13/11/2017
O Portal SNS ultrapassou os 10 milhões de visualizações de páginas. A área dedicada ao Cidadão alcança o maior número...
27/10/2017